Liberdade FM - 87,9

(45) 98814-0714

Covid-19

Remédio contra a Covid tem resultados animadores, mas acesso pode ser limitado

Pesquisadores se mostram preocupados com uma concentração de molnupiravir em países ricos, como aconteceu com as vacinas

Remédio contra a Covid tem resultados animadores, mas acesso pode ser limitado
Divulgação/MSD
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

Durante o início da procura por vacina, muitos países pobres acabaram ficando para trás. Desta vez, algumas dessas nações não estão cometendo o mesmo erro, como as da região da Ásia-Pacífico.

Os países da região estão correndo para fazer pedidos da mais recente arma contra a Covid-19: uma pílula antiviral que ainda não foi autorizada para uso.

molnupiravir, produzido pela empresa farmacêutica norte-americana Merck, conhecida no Brasil como MSD, está sendo anunciado como uma solução em potencial para mudar o jogo, especialmente para aqueles que não podem ser vacinados. A Merck está buscando autorização de uso emergencial da FDA  (Food and Drug Administration, autoridade americana de saúde) para uso do medicamento. Se for concedida a autorização, a solução se tornará o primeiro tratamento antiviral oral contra a Covid-19.

Pelo menos oito países ou territórios na região da Ásia-Pacífico assinaram acordos ou estão em negociações para adquirir o medicamento, de acordo com a empresa de análises Airfinity, incluindo Nova Zelândia, Austrália e Coréia do Sul, todos com programa vacinal relativamente lento.

Os especialistas dizem que, embora a pílula pareça promissora, há o temor de que algumas pessoas a usem como uma alternativa às vacinas, que ainda oferecem a melhor proteção.

E eles alertam que a corrida da Ásia para estocar a pílula pode levar a uma repetição da compra da vacina no ano passado, quando os países mais ricos foram acusados ​​de acumular doses, deixando os países de renda mais baixa atrasados no acesso ao imunizante.

“(O molnupiravir) realmente tem o potencial – o potencial – de mudar um pouco o jogo”, disse Rachel Cohen, diretora executiva norte-americana da iniciativa sem fins lucrativos Medicamentos para Doenças Negligenciadas.

“Precisamos ter certeza de não repetir a história, de não cair nos mesmos padrões ou repetir os mesmos erros que vimos para as vacinas da Covid.”

O que é molnupiravir?

O molnupiravir é visto como uma iniciativa positiva porque oferece uma maneira de tratar a Covid-19, sem que os pacientes precisem ser hospitalizados.

O medicamento funciona da seguinte maneira: assim que um paciente é diagnosticado com Covid-19, ele pode iniciar um tratamento com molnupiravir. Isso envolve quatro cápsulas de 200 miligramas, duas vezes ao dia, durante cinco dias. Um total de 40 comprimidos.

Ao contrário das vacinas, que estimulam uma resposta imunológica, o molnupiravir interrompe a replicação do vírus, disse Sanjaya Senanayake, médico de doenças infecciosas e professor associado de medicina da Escola de Medicina da Universidade Nacional da Austrália. “Em certo sentido, faz com que o vírus produza ‘filhotes’ prejudiciais à saúde”, disse ele.

Os resultados provisórios da Fase 3 de um estudo com mais de 700 pacientes não vacinados divulgados no início deste mês mostraram que a pílula pode reduzir o risco de hospitalização ou morte em aproximadamente 50%, em comparação aos pacientes que tomaram um placebo.

Os participantes receberam a pílula ou o placebo dentro de cinco dias a partir do início dos sintomas. Depois de 29 dias, nenhum dos que tomaram a pílula morreu em comparação às oito mortes entre aqueles que receberam o placebo. Os dados completos do ensaio com molnupiravir ainda não foram divulgados e os dados ainda não foram revisados ​​por pares e publicados em revistas científicas.

Wendy Holman, diretora executiva da farmacêutica Ridgeback Biotherapeutics, que está colaborando com o trabalho, disse em um comunicado que os resultados são encorajadores e espera que a droga possa ter um “impacto profundo no controle da pandemia”.

“Tratamentos antivirais que podem ser tomados em casa para manter as pessoas com Covid-19 fora do hospital são extremamente necessários”, disse ela.

Os especialistas concordam que a droga é promissora. Em vez de pacientes esperando para ver se ficarão gravemente doentes, o vírus poderia potencialmente ser tratado logo após o diagnóstico, disse Cohen, da iniciativa de Medicamentos para Doenças Negligenciadas.

E, ao contrário de outros tratamentos com Covid-19, o molnupiravir pode ser tomado em casa, liberando recursos do hospital para pacientes com quadros mais graves.

“Conseguir um tablete é muito mais simples (do que tomar a vacina)”, disse Senanayake. “Esta é uma virada de jogo.”

O que a pílula Covid significa para as vacinas

As vacinas ainda são a melhor proteção, dizem os especialistas, porque podem reduzir o risco de uma pessoa pegar Covid-19.

Mas mesmo na Ásia-Pacífico, onde as taxas de vacinas em muitos países melhoraram após um início lento, milhões de pessoas ainda não foram vacinadas porque não se apresentaram ou porque não podem ter acesso às vacinas.

E é aí que entra a pílula.

“Há muitas pessoas que não podem ser vacinadas”, disse Nial Wheate, professor associado da Escola de Farmácia da Universidade de Sydney. “Esta droga será uma solução de primeira linha para aquelas pessoas que acabam ficando doentes”.

Mas Wheate e outros especialistas estão preocupados com a possibilidade de a pílula tornar mais difícil convencer algumas pessoas a se vacinarem, aumentando a recusa à vacina observada em vários países, incluindo a Austrália.

A pesquisa mostra que as pessoas preferem engolir medicamentos a receber injeções, disse Wheate.

“Se você tivesse me dito um ano e meio atrás que as pessoas vão recusar uma vacina para uma doença que está devastando o planeta, eu teria pensado que você está louco”, disse ele. “Sempre há espaço para as pessoas pensarem que esse medicamento será uma solução muito melhor do que ser vacinado”.

Mas os especialistas dizem que a pílula não é um substituto para as vacinas.

Senanayake diz que a abordagem é semelhante à forma como tratamos a gripe – existe uma vacina contra a gripe, mas também existem medicamentos antivirais para tratar aqueles que ficam doentes.

Cohen diz que a pílula não significa que haja menos urgência em aumentar o acesso igualitário às vacinas.

“A equidade vacinal é uma espécie de desafio definitivo do nosso tempo. Mas você nunca luta contra uma doença infecciosa com apenas um tipo de arma”, disse ela. “Nós realmente precisamos de todo o arsenal de tecnologias de saúde”.

Por que os países da Ásia-Pacífico estão comprando a pílula Covid

De acordo com dados da Airfinity, dez países ou territórios estão em negociações ou assinaram acordos para receber a pílula, sendo oito deles da Ásia-Pacífico.

Alguns desses países podem estar tentando evitar os erros do passado, quando a lentidão dos pedidos levou a atrasos no recebimento de vacinas.

“Acho que só queremos ter certeza de que estamos à frente no que diz respeito a esses novos desenvolvimentos”, disse Senanayake.

“Existem alguns países de renda média que eu acho que estão apenas tentando não cair na mesma armadilha em que foram deixados quando os países de alta renda acumularam todas as vacinas”, acrescentou Cohen.

Não está claro quanto os comprimidos custarão a cada um desses países.

Os Estados Unidos concordaram em pagar US$ 1,2 bilhão por 1,7 milhão de pacotes se a pílula for aprovada, o que significa que o governo está pagando cerca de US$ 700 por pacote. Uma análise dos pesquisadores Melissa Barber e Dzintars Gotham descobriu que custa cerca de US$ 18 para produzir um pacote de molnupiravir com base no cálculo do custo das matérias-primas.

Gotham, que pesquisa acesso a medicamentos, disse que era comum as empresas farmacêuticas imporem uma grande margem de lucro aos medicamentos, mas que ficou surpreso diante do alto preço, já que o financiamento dos Estados Unidos contribuiu para o desenvolvimento da pílula.

A Merck não confirmou se essas estimativas são precisas, embora em um comunicado à CNN, a empresa tenha dito que os cálculos não levam em consideração pesquisa e desenvolvimento.

“Ainda não estabelecemos um preço para o molnupiravir porque ele não foi aprovado para uso”, disse a empresa. “Temos um contrato de compra antecipada com o governo dos Estados Unidos e esse preço é específico para um volume substancial de molnupiravir e não representa um preço de tabela para os Estados Unidos ou qualquer outro país.”

Em um comunicado divulgado em junho, a Merck disse que planejava usar uma abordagem de preços diferenciados para diferentes países e havia firmado acordos de licenciamento com fabricantes de genéricos para acelerar a disponibilidade da pílula em 104 países de baixa e média renda.

Desigualdade

Assim que o medicamento for aprovado para uso, os países precisarão decidir se o darão a qualquer pessoa que apresentar sintomas ou se solicitarão um teste positivo.

Mas isso requer acesso a testes. E em alguns países isso pode ser um problema, disse Cohen. Os resultados provisórios do estudo dizem que a pílula deve ser consumida antes de cinco dias após o início da detecção dos primeiros sintomas e, em alguns países, ter o resultado rápido para um teste pode ser um problema.

A organização sem fins lucrativos Médicos Sem Fronteiras comemorou os estudos a respeito do medicamento como “um cuidado potencialmente vital” para pessoas que vivem em áreas onde muitos não estão vacinados e são vulneráveis ​​à doença.

A primeira questão, porém, é como essas pessoas poderão acessar a solução.

Embora o medicamento seja simples de produzir, de acordo com Leena Menghaney, a Merck controla a patente e pode decidir a quais países fornecer o medicamento, e a que preço.

Ela renovou os pedidos de dispensa de patente que dispensaria direitos de propriedade intelectual para que países em todo o mundo possam produzir versões do medicamento, o que pode salvar muito mais vidas. No início da pandemia, ativistas da saúde pelo mundo pressionaram por uma quebra de patentes das vacinas contra a Covid-19, mas o pedido foi bloqueado por um pequeno número de governos, incluindo o Reino Unido.

Cohen disse que as ferramentas e tecnologias de saúde devem ser tratadas como um bem público, e que a situação levanta questões sobre como podemos garantir que esses benefícios sejam compartilhados de forma equitativa.

“Estamos preocupados que isso possa levar a uma espécie de nacionalismo terapêutico”, disse. “O que mais nos preocupa, porém, é que o acesso equitativo aos antivirais pode ser particularmente desafiador em países de baixa e média renda.”

Senanayake disse mais uma vez que há o risco de os países mais ricos receberem mais do que sua parcela justa.

“Com Covid, você tem que ser altruísta para ser egoísta”, disse ele. “Do contrário, se você proteger apenas seu próprio casulo, seu pequeno país, pode acontecer de uma nova variante que escapa da vacina surgir em outros países.”

(Texto traduzido. Leia o original aqui.)

FONTE/CRÉDITOS: CNN Brasil

Veja também

Envie sua mensagem e participe da nossa programação!