Liberdade FM - 87,9

(45) 98814-0714

Covid-19

Com melhora dos indicadores, Paraná suspende toque de recolher

O documento é válido até 1º de outubro e, de acordo com a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), pode ser alterado

Com melhora dos indicadores, Paraná suspende toque de recolher
O Paraná / Divulgação
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

O arrefecimento da pandemia da covid-19 com a diminuição do número de casos confirmados e da ocupação de leitos hospitalares permitiu ao governo do Estado alterar as medidas restritivas de combate ao vírus. Entre outras ações, o Decreto 8.705/2021, assinado pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nessa terça-feira (14), permite a livre circulação no período da madrugada e também revoga a proibição de venda de bebida alcoólica no mesmo período.

O documento é válido até 1º de outubro e, de acordo com a Sesa (Secretaria de Estado da Saúde), pode ser alterado em razão do cenário epidemiológico ou da situação vacinal.

Ainda segundo a normativa, eventos poderão receber até mil pessoas (hoje o limite é de 400), desde que respeitem o limite de capacidade de 50% para locais fechados e 60% para locais abertos. Contudo, os participantes precisam estar com o esquema vacinal completo contra a doença ou apresentar exame RT-PCR negativo, com no máximo 48 horas de antecedência.

Também fica permitido o consumo de bebidas e comidas em eventos. Para tanto, é necessário usar máscara cobrindo o nariz e a boca durante todo o momento, exceto para ingestão momentânea de comida ou bebida.

Permanece proibida a realização presencial dos eventos, de qualquer tipo, que possuam uma ou mais das seguintes características: em local fechado que não tenha sistema de climatização com renovação do ar e Plano de Manutenção, Operação e Controle atualizados; que demandem a permanência do público em pé durante sua realização; com duração superior a 6 horas; que não consigam garantir o controle de público no local ou que possam atrair presença de público superior àquele determinado nesta norma, como exposições e festivais; de caráter internacional; realizados em locais não autorizados para esse fim; e que não atendam os critérios previstos nesta legislação e demais normativas vigentes.

Caberá à Sesa editar, por meio de ato normativo próprio, um cronograma de flexibilização das normas restritivas empregadas no controle da pandemia, de acordo com o avanço da vacinação, de forma gradativa e escalonada, condicionado à avaliação dos indicadores de monitoramento dos casos de covid-19 no Paraná.

Números

De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Sesa nessa terça-feira (14), o Paraná soma 1.474.961 casos e 37.944 óbitos pela covid-19. A média móvel de casos, porém, é 56,6% menos do que há 14 dias. A redução de mortes no mesmo período ficou em 50%.

Já a ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) exclusivos para tratamento da doença está em 55%, enquanto taxa de ocupação dos leitos de enfermaria é de 39%.

Vacinação

Também nessa terça-feira, o Estado ultrapassou a marca de 8 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose (D1) ou dose única (DU) do imunizante contra a covid-19. Em números absolutos, 8.011.769 doses foram aplicadas na população adulta, entre D1 e DU.

A estimativa do Ministério da Saúde é que o Paraná tenha 8.720.953 pessoas elencadas como população vacinável – acima de 18 anos. Sendo assim, o Estado atingiu agora 91,8% desse grupo com ao menos uma dose. Os dados são do Vacinômetro nacional, com informações da base do PNI (Programa Nacional de Imunizações).

Desde o início da campanha no Estado, 11.785.711 doses foram aplicadas, sendo 7.689.951 D1, 321.818 DU e 3.773.942 segundas doses (D2), dos quatro imunizantes disponíveis: AstraZeneca, CoronaVac, Janssen e Pfizer.

A estimativa da Sesa é fechar setembro com 100% da população adulta vacinada com a primeira dose ou dose única.

Saúde confirma mais 26 casos e nove óbitos pela variante Delta

A Sesa (Secretaria de Estado da Saúde) confirmou nessa terça-feira (14) mais 26 casos e nove mortes pela variante Delta e suas sublinhagens. Agora, o Paraná soma 162 casos e 38 óbitos. Os dados foram repassados no relatório de circulação de linhagens Sars-CoV-2 (vírus responsável pela covid-19), por sequenciamento genômico, da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz).

Os novos casos foram registrados em Antonina, Morretes, Paranaguá, Campina Grande do Sul, Curitiba, Quatro Barras, São José dos Pinhais, Cascavel, Alto Paraíso, Cianorte, Loanda, Londrina, Rolândia e Toledo.

As mortes foram registradas nos municípios de Campina Grande do Sul, Curitiba, São José dos Pinhais e Cascavel – seis mulheres e três homens com idades que variam de 5 a 80 anos.

Até agora, 926 amostras foram sequenciadas: 391 aguardam resultado e, dentre os sequenciamentos, 492 indicaram a variante P.1.

Sublinhagens

Sublinhagens de variantes são fenômenos que fazem parte da evolução viral natural e estão associadas à taxa de replicação da doença. Quanto mais o vírus se multiplica, mais rápido ocorrem os processos de evolução. O vírus Sars-CoV-2 sofre mutações esperadas dentro do processo evolutivo de qualquer vírus RNA. Quando isso acontece, caracteriza-se como uma nova variante do vírus.

FONTE/CRÉDITOS: O Paraná

Veja também

Envie sua mensagem e participe da nossa programação!